Quais regras devem ser usadas para um novo poder? Compendium / Char-builder, ou o artigo do Dragon que o introduziu?

8

Na campanha DND 4E em que estou jogando, meu Warlock acabou de chegar ao 7º nível. Eu tenho andado pelas opções do construtor de personagens para o seu novo poder de Encontro, e me deparei com um chamado "Pain to Pleasure" DDI .

As regras para isso no Char Builder parecem estar quebradas. Eu não acho que as regras do Insider me permitam um copy-pasta aqui, mas do jeito que está escrito no Character Builder e no Compendium, parece que eu consigo fazer 4 rolls de ataque, dois contra um alvo primário, e dois contra um alvo secundário.

O artigo do Dragon que é referenciado por introduzir o poder inclui uma condição no entanto. Eu só consigo atacar um alvo secundário se eu perder o primário e receber dano igual ao meu nível por fazê-lo. No entanto, esse detalhe desapareceu no Char Builder e no Compendium, onde, em vez disso, o Miss: no primário simplesmente me concede meu modificador de Carisma em pontos de vida restaurados.

Qual é a coisa certa a fazer aqui pessoal?

    
por GodEater 18.12.2012 / 14:00

2 respostas

2

Eu não conheço o recurso em questão, e @waxeagle parece ter coberto bem isso de qualquer maneira.

Mas eu quero abordar a questão no título, já que a cera não o fez (embora ele tenha seguido o conselho que estou prestes a dar).

Use a fonte que funciona melhor para o seu jogo

Ou seja, ignore tudo o que não funciona para você, altere as coisas, faça funcionar para sua mesa. As regras de origem e precedência são importantes apenas para jogos de otimização teórica. Não consigo falar bem no 4e, mas no 3.5 há muitas coisas que foram erratas, sobrescritas, ou parecem muito prováveis de serem erros, que eu ainda prefiro sobre a regra "real".

Então, no futuro, acho que a pergunta mais útil é “como uma interpretação versus outra afeta o resto do jogo?” ou “qual é o caminho mais equilibrado?”

E, ao responder a essas perguntas, muitas pessoas provavelmente farão pelo menos algum caso apoiando sua posição como baseada nas regras - isso não é para nada. Particularmente em 4e, que parece ser um sistema intencional muito mais que 3.5, a intenção das regras / projetistas reais deve contar para algo.

Mas também não deve ser tudo.

    
18.12.2012 / 16:45
7

Há um recuo sutil no compêndio (pelo menos no celular) que coloca o ataque secundário sob a linha de falha, sem que a dica não esteja clara quando o ataque secundário acontece. Normalmente, se um ataque secundário sempre acontece, ele está sob a linha de efeito , não a linha de erro ou de acerto (que então requer essas condições).

Na revista Dragon, o recuo é muito menos sutil, então fica claro que o ataque secundário acontece na falha.

Poderes fluem naturalmente, eles têm Linhas de alvo, acerto, falta e efeito, todos os aspectos de uma potência pertencem a uma dessas linhas o ataque secundário segue a linha falta sem uma linha de efeito. Isso faz com que seja uma condição errada.

Com o artigo do dragão esclarecendo que o ataque acontece na falha, fica claro que o ataque secundário somente acontece sob a condição de falha.

No que diz respeito ao conflito. Eu diria que a revista Dragon está correta, já que é bastante claro que o compêndio contém um erro de digitação, copiando o texto do pacto Infernal para a linha miss em vez da linha miss da revista Dragon. Isso deve ser relatado para a Wizards.

    
18.12.2012 / 14:38